Central de atendimento 75 3162-5900

ÁCIDO METILHIPÚRICO

Material:Urina 24 horas Instruções: – Lavar as mãos antes de colher. – Colher urina após retenção urinária de 4 […]

Material:Urina 24 horas

Instruções: – Lavar as mãos antes de colher. 
– Colher urina após retenção urinária de 4 horas. Fazer higiene da genitália com água e sabão, secar, desprezar o 1º jato de urina, coletar o jato médio em frasco próprio. 
– Informar se é urina início ou final de jornada quando for exposição ocupacional. 
– Se a amostra for pós jornada de trabalho, colher amostra ao final do último dia de trabalho da semana. 
– Evitar colher após a primeira jornada de trabalho da semana. 
– A ingestão de álcool inibe a biotransformação dos Xilenos e diminui a excreção urinária do Ácido Metil Hipúrico. 
– A biotransformação do xileno a ácido metil-hipúrico é inibida na presença de ácido acetil salicílico (Aspirina). 

Comentários:  A exposição concomitante ao xileno e à metiletilcetona pode resultar em inibição de enzimas envolvidas no metabolismo do hidrocarboneto. 

O Xileno é um hidrocarboneto aromático, que produz depressão do sistema nervoso central (SNC). É um irritante de pele e mucosas similar ao tolueno, e que preferencialmente acumula-se no cérebro e tecidos adiposos. O Xileno está presente no ambiente em geral, principalmente devido à emissão em veículos automotores, devido a sua presença na gasolina. 

O Xileno também é utilizado na produção de perfumes, praguicidas, produtos farmacêuticos e nas indústrias de tinta, plástico, borracha e couro. O Ácido Metil Hipúrico representa mais que 95% da fração metabolizada do Xileno. A determinação do Ácido Metil Hipúrico urinário é 
empregada na monitorização biológica de trabalhadores expostos ocupacionalmente ao solvente. Níveis elevados de Ácido Metil Hipúrico urinário indicam uma exposição ocupacional excessiva ao Xileno. 

ÁCIDO HIPÚRICO

Material:Urina 24 horas Instruções: – Lavar as mãos antes de colher. – Colher urina após retenção urinária de 4 […]

Material:Urina 24 horas

Instruções: – Lavar as mãos antes de colher. 
– Colher urina após retenção urinária de 4 horas. Fazer higiene da genitália com água e sabão, secar, desprezar o 1º jato de urina, coletar o jato médio em frasco próprio. 
– Informar se é urina início ou final de jornada, quando for exposição ocupacional. 
– Se a amostra for pós jornada de trabalho, colher amostra ao final do último dia de trabalho da semana. 
– Evitar colher após a primeira jornada (dia) de trabalho da semana. 
– Como a maior parte do metabólito é excretada nas 4 horas seguintes ao final da jornada de trabalho, recomenda-se, quando possível, a coleta da urina durante este período de 4 horas pós-exposição. 
– Evitar fatores interferentes (dieta ou medicamentos conforme orientação médica) 1 dia antes da coleta: frutas (ameixa, pêssego), grãos verdes de café, alimentos e bebidas conservados com benzoatos (refrigerantes, margarinas, mostarda, ketchup, alguns tipos de pães, alguns tipos de sucos de frutas industrializadas), consumo de álcool, antidepressivos IMAO (exemplo: isocarboxazida), femprobamato, dietilpropriona. 

Comentários: O tolueno é um hidrocarboneto aromático com origem e produção nas indústrias petroquímica e siderúrgica. É um solvente com inúmeras aplicações na indústria, sendo constituinte importante na produção de resinas, tintas, thiner, colas, carvão, solvente para óleos, borracha natural e sintética. O tolueno está presente na gasolina e é lançado no meio ambiente como contaminante. Além disso, é o mais importante constituinte dos vapores de solventes inalantes utilizados por usuários de drogas de abuso. No setor químico, o tolueno é matéria prima para a síntese orgânica de fármacos, vinil tolueno, tolueno diisocianato, trinitrotolueno, antioxidantes, cloreto de benzoato, sacarina, cloramina T, entre outros. O Ácido hipúrico é o principal metabólito urinário do tolueno e é o indicador biológico de dose interna mais utilizado no Brasil. Sua concentração na urina coletada ao final da jornada de trabalho, correlaciona-se com a exposição média no dia, quando avaliada em grupos de trabalhadores

ACIDO 5-HIDROXI INDOL ACETICO

Material:Urina 24 horas Instruções:– O paciente deverá permanecer 24 horas antes e durante a coleta da amostra sem […]

Material:Urina 24 horas

Instruções:– O paciente deverá permanecer 24 horas antes e durante a coleta da amostra sem ingerir os alimentos abaixo relacionados, pois interferem no resultado: abacate, abacaxi, ameixa, banana, berinjela, pickles, nozes, tomate. 
– Alguns medicamentos podem interferir, e o médico deve estar ciente do uso e somente ele pode suspendê-lo: Acetaminofen, Ácido Acético, ácido Dehidroxifenilacetico, Ácido Gentisico, Ácido Homogentisico, Fenotiazinas, Formaldeído, Imipramina, Isoniazida, Inibidores da Mao, L-Dopa, (Levodopa), Metil Dopa, Morfina, Naproxifeno, Salicilatos, Xaropes para tosse com gliceril guacolato. 

Comentários:O 5-HIAA é um metabólito da serotonina usado como marcador de tumores carcinóides (tumores neuroendócrinos que originam-se principalmente nos tratos respiratórios e gastrointestinais). Alimentos ricos em serotonina devem ser evitados antes e durante a coleta. Medicamentos usados podem interferir no resultado do exame: levodopa, imipramina, ácido dihidrofenilacetico, metildopa, antidepressivo IMAO, morfina, acetominofen, ácido acético, salicilatos, formaldeído, isoniazida, fenotiazinas, xaropes com glicerilguacolato e naproxifeno. As concentrações do 5-HIAA podem estar normais com tumores carcinóides 
não metastáticos e na síndrome carcinoide, particularmente, em pacientes sem diarreia. Alguns pacientes com síndrome carcinoide excretam ácidos indólicos não hidroxilados que não são medidos pelo teste do 5-HIAA. O 5-HIAA encontra-se aumentado nos pacientes com má- 
absorção e níveis aumentados de metabólitos urinários do triptofano (doença celíaca, 
sprue tropical, Doença de Whipple, fibrose cística, etc.), e em pacientes com obstrução crônica do trato intestinal além de alguns pacientes com tumores de ilhota não carcinóides. Seus níveis exibem uma correlação ruim com a gravidade da doença. Níveis aumentados são observados na gravidez, ovulação e estresse.